quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Novembro Azul e a Saúde dos Homens



Novembro Azul e a Saúde dos Homens.

O movimento Novembro Azul teve origem em 2003, na Austrália, com o objetivo de chamar a atenção para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças que atingem a população masculina. Desde então, vem se tornando um dos principais movimentos na luta contra o câncer de próstata, além de chamar a atenção sobre a saúde dos homens de uma forma geral. No Brasil, a campanha do Novembro Azul teve início em 2011, por iniciativa do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL). 


Com a ampliação do tema, novembro passou a ser considerado um mês de conscientização sobre os cuidados integrais com a saúde do homem. Saúde mental, infecções sexualmente transmissíveis, doenças crônicas (diabetes, hipertensão) entre outros pontos passaram a ser abordados nas campanhas. Todos os anos, nesse período, 21 países, incluindo o Brasil, preparam campanhas sobre prevenção e diagnóstico do câncer de próstata, além de levar informações sobre a prevenção e promoção aos cuidados integrais com o cuidado da saúde masculina.

Recentemente, o Ministério da Saúde lançou, com apoio técnico do INCA, a página Câncer de próstata; causa, sintomas, tratamento e prevenção em seu portal na Internet. O INCA também publicou a cartilha Câncer de próstata: vamos falar sobre isso? com informações para que as pessoas possam entender mais acerca da doença e decidirem o que é melhor para a própria saúde. A cartilha incentiva a conversa com o profissional de saúde. Além disso, o Instituto também produziu o vídeo Saúde do homem – um alerta e ao mesmo tempo um convite para que o homem se cuide.

Campanha do Instituto Lado a Lado pela Vida
Colocamos aqui um resumo das informações, para que você tenha dados preliminares, compartilhe com amigos e se interesse em conhecer os detalhes, a partir das referências mencionadas.


O câncer de próstata é o mais frequente entre os homens, depois do câncer de pele. As estimativas apontam 68.220 novos casos em 2018. Ele é a segunda causa de morte por câncer em homens no Brasil, com mais de 14 mil óbitos.

Na fase inicial, o câncer de próstata pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são:

  • dificuldade de urinar;
  • demora em começar e terminar de urinar;
  • sangue na urina;
  • diminuição do jato de urina;
  • necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Esses sinais e sintomas também ocorrem devido a doenças benignas da próstata. Por exemplo:
Hiperplasia benigna da próstata, que é o aumento benigno da próstata. Ela afeta mais da metade dos homens com idade superior a 50 anos e ocorre naturalmente com o avançar da idade. 

Prostatite , que é uma inflamação na próstata, geralmente causada por bactérias.

De qualquer forma, se você identificar qualquer um desses sintomas, ainda que isoladamente, procure um médico especialista (urologista) para que sejam feitos os exames necessários.


Atuando pela prevenção, a Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que homens, a partir de 50 anos, procurem um profissional especializado, para avaliação individualizada. Aqueles da raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar aos 45 anos. O rastreamento deverá ser realizado após ampla discussão de riscos e potenciais benefícios, em decisão compartilhada com o paciente.



Mesmo com as constantes campanhas de prevenção e alerta para a realização dos exames que podem detectar o câncer de próstata em estágio inicial, muitos homens com idade a partir de 45 anos ainda relutam em seguir as recomendações do rastreamento. Falta de informação, preconceito e vergonha são algumas das razões que levam o público masculino a deixar de lado procedimentos simples, rápidos, indolores e fundamentais para identificar a doença em estágio inicial.


Uma pergunta muito comum é se o câncer de próstata tem tratamento. Sim, o tratamento existe e é feito por meio de uma ou de várias modalidades/técnicas de tratamento. A principal delas é a cirurgia, que pode ser aplicada junto com radioterapia e tratamento hormonal, conforme cada caso. 



A escolha do melhor tratamento é feita individualmente, por médico especializado, caso a caso, após definir quais os riscos, benefícios e melhores resultados para cada paciente, conforme estágio da doença e condições clínicas do paciente. O tratamento, para quem identifica precocemente o câncer de próstata, chega a um índice de cura de até 90%.

Mas afinal, o que é a próstata e pra que ela serve?

Fonte: INCA
A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozóides, liberado durante o ato sexual.

Todas as informações contidas nesse texto foram retiradas de textos atualizados pelas principais referências nacionais sobre o assunto: INCA, Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Urologia e Instituto Lado a Lado pela Vida.

Assista ao vídeo da Sociedade Brasileira de Urologia, consulte as referências e compartilhe ao máximo essas informações.



segunda-feira, 22 de outubro de 2018

O lixo nosso de cada dia - Lixo Zero?

No sábado passado, tive a excelente oportunidade de assistir à primeira edição do Prêmio Lixo Zero, no Museu do Amanhã, na cidade do Rio de Janeiro. Pude constatar, in loco, que há muita gente colocando ideias simples em prática e alcançando resultados surpreendentes e motivadores para a gestão de resíduos sólidos, seja em residências, empresas ou espaços públicos.

Como os nossos artigos, neste blog, priorizam os temas corporativos, decidi compartilhar com você algumas das ideias premiadas que eu mais gostei e que melhor podem ser aplicadas em organizações de pequeno e médio porte. Faço essa observação pois as empresas de grande porte, em sua grande parte, já possuem programas ambientais bem desenvolvidos. Alguns desses projetos premiados podem ser aplicados diretamente e outros podem ser objeto de financiamento em comunidades do entorno das instalações da sua organização.


Rodrigo Sabatini do Instituto Lixo Zero e Fê Cortez do Menos 1 Lixo
(fotografia reproduzida do Instagram)

O 1º Prêmio Lixo Zero foi promovido pelo Instituto Lixo Zero, uma organização sem fins lucrativos vinculada à ZWIA - Zero Waste International Alliance. E foi realizado em parceria com o portal Menos 1 Lixo, um projeto multimeios de educação ambiental e produtos sustentáveis.

A escolha do local foi feita com o objetivo de valorizar ainda mais o tema da premiação, o auditório do Museu do Amanhã. Duas lideranças da área de redução, reutilização e reciclagem de resíduos, foram os apresentadores do prêmio: Rodrigo Sabatini e Fê Cortez.

Uma das primeiras premiações foi para a R2 Produções, com o projeto "Na Praia". A empresa, representada na premiação por seus quatro jovens sócios, é uma produtora e promotora de eventos com sede em Brasília. No projeto premiado eles decidiram investir no conceito de Lixo Zero e realizaram um evento para milhares de pessoas em Brasília, conseguindo enviar para reciclagem 90% dos resíduos gerados. Isso foi possível com o envolvimento de catadores de resíduos, regras de participação e facilidades disponíveis para os participantes.

Outro projeto selecionado foi o Meu Copo Eco (MCE), uma empresa de Florianópolis (SC). A ideia de usar copos reutilizáveis não é tão nova, porém o tipo de material, a personalização e a consultoria e planejamento de eventos com sua utilização é que fez a diferença. Os copos de polipropileno (PP05), utilizados pela MCE vêm sendo utilizados em feiras, congressos, dentro de empresas, festas públicas ou particulares, sempre com grande sucesso, eliminando a utilização e descarte dos famigerados copinhos descartáveis. Os copos podem ser comprados ou alugados, pois passam por um processo de lavagem e higienização que os tornam reutilizáveis como se fossem novos.


Meu Copo Eco (divulgação)

Na categoria Sistemas de Reciclagem, o destaque foi para a ProEcologic, uma empresa de Guarulhos (SP) e sua parceria com a Santa Luzia, fabricante de perfis e revestimentos, de Santa Catarina. O foco do projeto premiado começa na aquisição dos resíduos de isopor (poliestireno expandido EPS) nas cooperativas de catadores, passa por um processo inovador de reciclagem, e termina com a fabricação pela Santa Luzia de várias linhas de produtos, como rodapés, rodatetos, guarnições, rodameios, revestimentos (Ecobricks e Vértices) e decks (Ecodeck), além de espelhos, molduras e porta-retratos. Além de garantir a reciclagem, essa linha de produção substitui a madeira, trazendo ganho ambiental, tecnológico e econômico, pois os produtos ganharam atributos de qualidade, resistência e durabilidade.


ProEcologic (divulgação)

Uma outra categoria de premiação foi a compostagem, o processo de tratamento do lixo orgânico, que muita gente pensava que era difícil de realizar no dia-a-dia. O projeto premiado é uma prova de como tornar isso simples. O nome dele é Ciclo Orgânico e fica no Rio de Janeiro. Sua proposta é incrivelmente simples. Se todos geramos lixo orgânico, ele pode ser armazenado temporariamente e recolhido por quem sabe o que fazer com ele: a compostagem. Por um valor mensal, seu lixo orgânico é recolhido semanalmente, em um baldinho especial que eles deixam com você. Ou recipientes maiores se a sua geração demandar por isso. Em residências, escolas, condomínios ou empresas, eles vão buscar o seu baldinho para transformar em adubo e aplicar em hortas comunitárias ou em locais para gerar produtos orgânicos.

Ciclo Orgânico (divulgação)

Enfim, esse são os que eu selecionei, a partir de uma primeira análise. Foram 18 projetos participantes e finalistas, em seis categorias, além de premiações especiais. Entre eles o Dia Mundial da Limpeza, Pimp My Carroça, Favela Orgânica, Um Ano sem Lixo, You Green, Eco Barreira e por aí vai.

Todos os outros projetos que participaram você pode conhecer a partir do Instituto Lixo Zero e do portal  Menos 1 Lixo. Eles estão em todas as redes sociais.


Ao final desse texto, você encontra as referências para cada um desses projetos, bem como para as duas organizações responsáveis pelo prêmio. Recomendo que você conheça e coloque em prática alguma dessas ideias, elas são simples e eficazes.

O evento foi um enorme aprendizado, pois em poucas horas eu tive a oportunidade de conhecer de perto, não só as ideias mas o entusiasmo de gente jovem, ativistas sociais, empreendedores, todos com um discurso e prática em ações coletivas, construtivas, sociais e sustentáveis.

Referências:

Instituto Lixo Zero Brasil
http://ilzb.org.br

Menos 1 Lixo:
https://www.menos1lixo.com.br/

Prêmio Lixo Zero:
http://premiolixozero.com.br

Zero Waste International Alliance - ZWIA:
http://zwia.org/

R2 Produções:
https://producoesr2.com.br/

Meu Copo Eco - MCE:
https://www.meucopoeco.com.br/

Santa Luzia Molduras:
https://www.santaluziamolduras.com.br/

ProEcologic Reciclagem:
http://www.proecologic.com.br

Ciclo Orgânico Compostagem:
https://cicloorganico.com.br/

Para mostrar uma ideia simples, comunitária, surgida de uma atitude individual, que se amplia para um resultado coletivo, deixo com vocês esse vídeo sobre o Projeto Eco Barreira, em uma entrevista da Fê Cortez.




#LixoZero #Lixo #Resíduos #Reciclagem #Reuso #Sustentabilidade #MeioAmbiente

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Câncer de Mama: vamos falar sobre isso?


Outubro Rosa. Essa campanha começou na década de 90, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama.

Desde então, a data é celebrada anualmente, com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama, promover a conscientização sobre a doença, proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.


O INCA participa do movimento desde 2010, promove eventos técnicos, debates e apresentações sobre o tema, assim como produz materiais e outros recursos educativos para disseminar informações sobre prevenção e detecção precoce da doença.

Em 2018, a campanha do INCA no Outubro Rosa tem como tema "Câncer de mama: vamos falar sobre isso?". O objetivo é fortalecer as recomendações do Ministério da Saúde para o rastreamento e o diagnóstico precoce do câncer de mama e desmistificar conceitos em relação à doença.


A partir deste link, você tem acesso a muitas informações úteis que podem ajudar na prevenção e no tratamento do câncer de mama. Confira, clicando aqui: http://www.inca.gov.br/outubro-rosa/

E para tratar desse tema de uma forma emocionante e diferente, o INCA produziu o vídeo Mama Bela, Belo Colo, propondo uma reflexão sobre a mulher, o câncer e suas implicações no seu dia a dia, na sua sexualidade e na sua experiência vivida individual e coletivamente.


Entre outros aspectos são abordadas questões atuais sobre a saúde da mulher e a relação com seu corpo, aspectos sociais e informações para prevenção e detecção precoce do câncer.

Relatos de mulheres sobreviventes são exemplos de que o câncer não é um ponto final e que apoio, compreensão e respeito ajudam a enfrentar o medo e o estigma da doença.
(O texto acima é uma reprodução de trechos da página do INCA sobre esse assunto.)

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Catadora de Gente

O tratamento adequado dos resíduos sólidos é um dos temas fundamentais para a sustentabilidade. E o trabalho dos catadores e catadoras é imprescindível para o  descarte adequado. Por isso, a notícia de um prêmio de cinema para uma catadora se torna ainda mais importante e emocionante.

Reconhecida pelo trabalho que realiza há mais de 30 anos em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, como catadora, Maria Tugira Cardoso, do MNCR - Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, recebeu o convite de narrar a própria história em um documentário. Aos 58 anos foi indicada e ganhou o prêmio Kikito de melhor atriz em curtas metragens do Festival de Cinema de Gramado deste ano, com o filme "Catadora de Gente", dirigido por Mirela Kruel.


Veja aqui o trailer desse documentário e conheça um pouquinho da Maria Tugira.

#reciclagem #catadores #sustentabilidade #resíduos #lixo #lixozero