terça-feira, 10 de julho de 2018

Esse time ganhou a Copa!

"O mundo acabou de encontrar seu mais inspirador e corajoso time de futebol."



Com esta frase, a charge do cartunista Chris 'ROY' Taylor, do jornal australiano Herald Sun, está correndo o mundo e fazendo sucesso por refletir um sentimento coletivo e mundial. Em sua publicação no Tweeter, Roy escreveu: eu sei qual o time que merece o troféu!

Para quem trabalha com prevenção e resposta à emergência, essa história se transformará em um importante estudo de caso. Mas nesse momento, a emoção ainda está falando mais alto.

Todos resgatados com vida, fruto do planejamento e da resposta adequada à emergência. Treinamento, especialização, competência técnica, determinação e confiança. As coisas funcionam bem quando as pessoas que sabem fazer podem realizar o seu trabalho. Parabéns aos profissionais e voluntários que souberam fazer a diferença.


Lembrando da história, para que fique registrada neste blog, usando por base uma reportagem da BBC:

No dia 10 de julho de 2018, foi concluído o resgate, na Tailândia, que tirou 12 meninos e seu técnico de futebol do interior do complexo de cavernas de Tham Luang, no norte do país, foi marcado por momentos de muita emoção, ansiedade, tristeza e júbilo.

Os garotos fazem parte do time de futebol Wild Boars e têm entre 11 e 17 anos. Eles haviam entrado na caverna no dia 23 de junho depois de um treino, e acabaram surpreendidos por fortes chuvas que inundaram o local e bloquearam a saída. Eles foram encontrados por mergulhadores, nove dias após seu desaparecimento. Nesse período eles permaneceram dentro de um caverna, onde tinham entrado para se abrigar da chuva. Estavam famintos, mas sem ferimentos graves.

O resgate foi feito por mergulhadores, que trouxeram cada um dos meninos utilizando equipamentos e técnicas de mergulho.


Para conferir a reportagem, na íntegra, relatando toda a história, siga o link:


Para conhecer mais sobre o trabalho do cartunista Chris Roy Taylor, siga o link:




sábado, 23 de junho de 2018

A segurança das pessoas e o padrão brasileiro de plugues e tomadas

O novo padrão brasileiro de plugues e tomadas veio estabelecer um patamar de segurança e funcionalidade para as instalações elétricas prediais. Ele foi adotado após alguns anos de intensa discussão dentro da comunidade técnica especializada: profissionais, empresas, associações, com o respaldo técnico da ABNT, que editou a NBR 14136, e o apoio legal do INMETRO. Infelizmente, nem todos os profissionais se interessaram pelo debate, alguns até porque não acreditaram que as medidas seriam adotadas. Talvez por isso, ainda haja muitas dúvidas entre os usuários e até mesmo entre os profissionais que atuam na área de instalações prediais.

As diferenças

A principal diferença é que não tínhamos um padrão para esses dispositivos. Ao longo dos anos, fomos obrigados a conviver com tipos diferentes que foram surgindo de acordo com a demanda de novos equipamentos e de padrões estrangeiros. A maioria desses tipos era incompatível com as normas brasileiras de instalações elétricas, principalmente pela ausência da conexão para o aterramento, medida indispensável para a segurança das pessoas.

As novas tomadas e plugues são muito mais seguras pois foram projetadas tendo a segurança como um de seus principais objetivos. Além dos itens visíveis como a conexão de aterramento ( o terceiro pino ) e do formato de encaixe, que não permite o contato acidental com os pinos durante a colocação do plugue, há inovações na parte interna das tomadas. Os contatos internos somente se fecham quando os dois pinos entram simultaneamente. Isso evita, por exemplo, que a inserção de um objeto metálico em um dos furos da tomada feche o contato e provoque um choque elétrico. É uma medida contra as “travessuras” das crianças, por exemplo, contra a distração, tentativas de conectar plugues no escuro etc.

Outro item muito importante, é que os aparelhos elétricos de maior potência, serão montados com plugues de pinos mais grossos, de forma que não será possível conectá-los com as tomadas comuns. É uma medida preventiva de forma que equipamentos de consumo elevado de energia não provoquem uma sobrecarga nessas tomadas, isto é, aquecimento excessivo e ignição de incêndios. Para esses equipamentos, com plugues mais grossos, há tomadas equivalentes com orifícios mais grossos e portanto, com maior capacidade de suportar a passagem da energia elétrica.

A transição

Em um primeiro momento não há necessidade de intervir na instalação elétrica. A cada novo equipamento adquirido, o consumidor poderá optar em usar um adaptador ou trocar a tomada. Não se deve trocar o plugue de um equipamento, salvo no caso de um acidente que tenha provocado a sua deterioração. Os cabos e os plugues dos equipamentos integram um conjunto testado e aprovado. Por isso não é recomendável alterar a configuração original do fabricante do equipamento.

No caso do aterramento, não basta trocar a tomada para garantir a segurança. Por trás de cada tomada nova, também é necessário que exista o fio-terra, aquele fio que vai conduzir a corrente elétrica caso ocorra um defeito, evitando que a corrente percorra o corpo de uma pessoa que esteja em contato com o equipamento elétrico que apresentou o defeito. Esse fio-terra (condutor de proteção) já deveria estar instalado pois é uma exigência técnica que consta nas normas técnicas há muitos anos. Além disso, há uma lei federal (Lei 11.337/2006) que determina a obrigatoriedade da instalação do aterramento. Portanto, todas as novas construções, desde 2006, devem obedecer a essa exigência.

Observe que os plugues e tomadas integram um conjunto de ações para aumentar a segurança das instalações elétricas prediais. Eles, sozinhos, não resolvem todos os problemas. Se a instalação é nova e todas as tomadas já estão instaladas de acordo com o novo padrão, a situação é mais simples. Para equipamentos antigos, devem usar os adaptadores. Quando adquirirem novos equipamentos, eles já virão preparados para as novas tomadas.

Manutenção

A necessidade de substituição de uma tomada gera uma oportunidade de se pensar no conjunto da instalação. Se nunca foi feita uma revisão das instalações elétricas, essa é uma medida importante a ser adotada. Com o passar dos anos, aumentou de forma impressionante a quantidade de equipamentos elétricos instalados nas residências e escritórios. Se a instalação não acompanhar essas evolução, os fios, as tomadas e disjuntores ou fusíveis instalados há dezenas de anos podem não suportar a carga instalada. No caso de disjuntores e fusíveis, se tiverem sido bem dimensionados e instalados eles começarão a desarmar ou queimar. É um sintoma de problemas a serem resolvidos urgentemente. A carga elétrica excessiva pode provocar aquecimento dos fios e tomadas, tornando-se focos de ignição de incêndios. Isso também pode ocorrer se tiverem sido utilizados produtos inadequados na fabricação dos fios, tomadas, plugues, adaptadores, extensões etc. Pode parecer estranho, mas infelizmente há muitos produtos “piratas”, principalmente em lojas não especializadas e no comércio de rua. Esses produtos custam menos porque usam materiais de qualidade inferior, e seu desempenho não atende o que exigem as normas e nem mesmo as características que estampam em suas embalagens. Outro cuidado a ser tomado diz respeito ao uso de extensões de tomadas. Os prédios mais antigos possuem pouca quantidade de tomadas em cada cômodo. Isso fez com que se proliferassem as extensões, fixas ou móveis, e os “tês” ou benjamins, para a instalação dos novos aparelhos elétricos. Esses dispositivos, embora sejam extremamente práticos, podem fazer com que em um único ponto esteja acumulada uma carga excessiva, sinônimo de superaquecimento. Por isso, em uma reforma, é imprescindível incluir o aumento da quantidade de pontos de tomadas, utilizando, é claro, o novo padrão.

A manutenção de qualquer tipo de instalação é fundamental para o seu desempenho satisfatório ao longo dos anos. Entretanto, não é uma prática comum em instalações prediais. Na maior parte dos casos, infelizmente, as intervenções só acontecem nas reformas, ampliações etc. A manutenção pode começar com um tipo de inspeção visual que o próprio usuário pode e deve fazer, identificando problemas tais como tomadas sobrecarregadas de equipamentos, plugues imprensados atrás de armários, sofás ou outros móveis, cortinas e tapetes em contato com fios ou conexões de tomadas, interruptores e tomadas com alteração em sua cor original (causada por aquecimento). Outras observações importantes ainda a cargo do usuário, dizem respeito à percepção de determinadas ocorrências como o aquecimento de interruptores, queima de lâmpadas em intervalos curtos de tempo, variações muito bruscas na iluminação quando outros equipamentos estão ligados (ar condicionado e chuveiros, por exemplo), disjuntores desarmando ou fusíveis queimando. Em seguida, cada um dos problemas identificados deve ser corrigido com o auxílio de profissionais qualificados. Não há prescrições na legislação ou nas normas técnicas quanto à periodicidade da manutenção preventiva das instalações prediais. O ideal é uma inspeção anual nos termos explicados anteriormente e a cada cinco anos a inspeção visual qualificada das partes internas de interruptores e tomadas, e do quadro de disjuntores, e o reaperto das conexões. Nessa manutenção preventiva, proposta para cada cinco anos, seriam feitas as substituições, inclusive da fiação de alguns dos circuitos elétricos, bem como o acréscimo de circuitos, disjuntores, proteção diferencial, tomadas, testes de continuidade e outros ensaios previstos na normalização técnica, especialmente na NBR 5410, norma brasileira de instalações elétricas de baixa tensão. Por sinal, essa norma estabelece, detalhadamente, os testes que devem ser feitos antes de uma instalação ficar pronta e durante o seu funcionamento.

Profissionais qualificados

As intervenções em instalações elétricas devem ser feitas exclusivamente por profissionais qualificados. Ao usuário leigo não deve ser permitido o acesso às partes internas das instalações ou dos equipamentos. Portanto, sua atuação deve estar restrita à substituição de lâmpadas e instalação de equipamentos que dependam exclusivamente de conexão direta a uma tomada. É interessante observar que até mesmo atividades simples requerem cuidados. A troca de uma lâmpada, por exemplo, exige que o circuito esteja desligado pois um contato indesejado com a parte interna do bocal da lâmpada pode ocasionar um choque. Ligar um equipamento com os pés ou mãos molhados, também pode causar um choque se houver algum defeito de isolamento no equipamento e o circuito não estiver protegido com o fio terra ou com um interruptor de corrente de fuga (denominado de dispositivo DR).

Cuidados

Quando se trata de eletricidade, alguns cuidados importantes são: Adquirir equipamentos e materiais elétricos de boa qualidade. Em grande parte dos casos, esses equipamentos possuem a certificação obrigatória assinalada pelo selo do INMETRO. Contratar serviços especializados, com profissionais qualificados. Utilizar os recursos tecnológicos de proteção, ou seja, circuitos elétricos com aterramento, proteção diferencial residual (DR) contra choques, disjuntores para impedir a sobrecarga e os curto-circuitos. Tudo isso não dispensa os cuidados básicos de não deixar fios e instalações expostas, não mexer em circuitos elétricos ou equipamentos com os pés ou mãos molhados, manter as instalações inacessíveis para crianças, nunca mexer nas instalações sem desligar o disjuntor correspondente e não abrir equipamentos elétricos sem desligá-los da tomada. Lembre-se que a eletricidade mata, mesmo em circuitos aparentemente inofensivos.

As pesquisas realizadas no Brasil pela ABRACOPEL – Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade comprovam que a quantidade de acidentes com eletricidade é muito grande. Outra instituição que vem fazendo levantamentos das condições das instalações elétricas nas grandes cidades brasileiras é o Instituto Procobre, através do Programa Casa Segura. Esses levantamentos mostraram que, em grandes cidades brasileiras, mais da metade dos residências com mais de 20 anos de construção, nunca fizeram uma reforma nas instalações elétricas. Eis aí uma informação assustadora, que explica a razão das terríveis notícias sobre acidentes domésticos fatais. Em resumo, a eletricidade não mata apenas no trabalho, mas em residências e nas ruas. Para as instalações elétricas prediais, o novo padrão brasileiro de plugues e tomadas vem cumprir uma parte da responsabilidade técnica das empresas e profissionais de engenharia quanto a proteção das pessoas e do patrimônio. Que cada um faça a sua parte.


O autor: Ricardo Pereira de Mattos é engenheiro eletricista (UFRJ), com pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho (PUC-Rio) e Mestrado em Sistemas de Gestão de Segurança do Trabalho (UFF). Atuou em diversas instituições de ensino como professor de cursos de pós graduação em engenharia de segurança do trabalho, principalmente na disciplina de Segurança em Instalações Elétricas. É membro da SOBES - Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança e da ABRACOPEL - Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade.  


P.S. Este foi um artigo que eu escrevi e publiquei em agosto de 2010 (publicação original no seguinte endereço: http://www.ricardomattos.com/plugues_tomadas.html.

A edição desta semana da Revista Época (22/06/2018) publicou uma reportagem de capa  tão absurda, incompleta, sem embasamento técnico ou científico, que resolvi republicar este artigo em nosso blog.


Usando a péssima prática de ouvir apenas um dos lados e de investir em acusações, a revista resolveu tratar de um tema técnico como faz na política. Uma pena. Poderia ter procurado profissionais ou associações técnicas que conhecem e trabalham na área. Fiz questão de reproduzir o meu artigo na íntegra, para evidenciar que ele foi escrito em 2010, portanto há 8 anos. Se alguém ganhou dinheiro com essa mudança, como enfatiza a reportagem, eu digo: claro que sim. Afinal, estamos em uma sociedade capitalista, qualquer novo investimento, produto ou processo está sob a gestão de empresas e isso vai gerar vendas e lucros. Mas não é assim que funciona o sistema? A questão central não é essa. O "terceiro pino" é a conexão com o aterramento, uma medida usada em todo os lugares do mundo. Será que os repórteres, revisores ou editores nunca perceberam isso em suas viagens internacionais? Caso não tenha viajado, não pesquisaram sobre o assunto antes de publicar?


A revista pretende fazer reportagens contra outros requisitos de segurança? E o pára-raios? Afinal, para que sistemas de proteção contra descargas atmosféricas se os raios continuam "caindo"? E as mangueiras de incêndio e redes de sprinklers? Tem muita gente ganhando dinheiro com eles? Pois os incêndios continuam acontecendo... Freios ABS? Bobagem... Cinto de Segurança pra quê? O trânsito continua matando... Lei Seca? Ah, tem muita gente que não bebe e causa acidentes... É esse tipo de raciocínio que a  revista desenvolveu nessa "reportagem".

Um destaque negativo dessa natureza, em uma revista de circulação nacional e com a capa exposta em todas as bancas de jornais do país, causa um estrago quase irreparável na conscientização das pessoas para as questões de segurança com eletricidade. E o pior, é uma atuação contra a segurança das pessoas e das instalações. Triste caminho vem trilhando o jornalismo dessa revista com esse tipo de abordagem irresponsável. 

domingo, 10 de junho de 2018

Normas Regulamentadoras completam 40 anos de bons serviços ao Brasil

As Normas Regulamentadoras (NR) de Segurança e Saúde no Trabalho tiveram a sua primeira versão em 1978, com a publicação, no dia 8 de junho daquele ano, da Portaria 3.214 do Ministério do Trabalho.

Um artigo divulgado recentemente pela Sociedade de Engenharia de Segurança do Rio de Janeiro (SOBES-Rio) destacou o papel desempenhado por essa regulamentação, suas atualizações e os desafios que estão pela frente.

O artigo, escrito pelo engenheiro Edison Nogueira, presidente da referida instituição, além de celebrar a data e a importância das NRs para a redução dos acidentes do trabalho no Brasil, aborda algumas lacunas importantes nessa regulamentação e destaca importantes atualizações que são necessárias e urgentes.

Em um trecho, ele afirma:
"Devemos reverenciar esta grande conquista para nós da área de Segurança e Saúde Ocupacional e principalmente para os trabalhadores. A Portaria 3.214/78 regulamentou através das Normas Regulamentadoras, os artigos 154 a 201 do capítulo V, seção I da CLT, tendo importância fundamental para a evolução de ações prevencionistas e assim reduzir os números de acidentes no Brasil."

Para ter acesso à integra do artigo, entre no portal da SOBES-Rio, no seguinte endereço: www.sobesrio.org.br . Ou vá direto a essa publicação na página do facebook: www.facebook.com/sobesrio .


domingo, 3 de junho de 2018

Dia Mundial do Meio Ambiente - 5 de junho

O Dia Mundial do Meio Ambiente é uma iniciativa da ONU para incentivar a conscientização e a ação mundial para a proteção do meio ambiente. Desde o seu início em 1974, a proposta cresceu e se tornou uma plataforma global e pública, amplamente divulgada em mais de 100 países.

Acima de tudo, o Dia Mundial do Meio Ambiente é considerado o "dia das pessoas" para que cada um faça alguma coisa para cuidar do planeta. Essa "alguma coisa" pode ser uma ação local, nacional ou global; pode ser uma ação individual ou envolver uma multidão. Todo mundo é livre para escolher.

Cada Dia Mundial do Meio Ambiente é organizado em torno de um tema que concentra a atenção em uma preocupação ambiental particularmente urgente.

Em 2018, com o tema Acabe com a Poluição Plástica  #AcabeComAPoluiçãoPlástica, a data soma esforços à campanha Mares Limpos #MaresLimpos da ONU Meio Ambiente para combater o lixo marinho e mobilizar todos os setores da sociedade global no enfrentamento deste problema — que se não for solucionado, poderá resultar em mais plástico do que peixes nos oceanos até 2050.



A poluição plástica é considerada uma das principais causas atuais de danos ao meio ambiente e à saúde. Mesmo assim, os números da produção e descarte incorreto deste material não param de crescer. Mais plástico foi produzido na última década do que em todo o século passado. Por ano, são consumidas até 5 trilhões de sacolas plásticas em todo o planeta.

A cada minuto, são compradas 1 milhão de garrafas plásticas e 90% da água engarrafada contém microplásticos. Metade do plástico consumido pelos humanos é descartável (e evitável) e pelo menos 13 milhões de toneladas vão parar nos oceanos anualmente, prejudicando 600 espécies marinhas, das quais 15% estão ameaçadas de extinção.

Mais de 100 países já se uniram sob o slogan do Dia Mundial do Meio Ambiente deste ano e se comprometeram com atividades, como mutirões de limpeza de praias e florestas, e anúncios de políticas públicas voltadas ao descarte e consumo responsável do plástico.


O texto acima é uma compilação de informações a partir de publicações da Organização das Nações Unidas.

#WED #BeatPlasticPollution #DiaMundialdoMeioAmbiente #AcabeComAPoluiçãoPlástica

Para participar de atividades e contribuir com ações práticas, no Brasil ou no mundo, conheça as informações oficiais, consultando essas referências.

ONU Meio Ambiente:

Mar de Lixo - filme educativo produzido pelo Ministério do Meio Ambiente: